fisioterapiaMassoterapiaTerapia ManualPor que a terapia manual alivia a tensão muscular? - Clinica CDM

16 de julho de 20210

Por que a terapia manual alivia a tensão muscular?

A tensão muscular pode ser considerada uma resposta fisiológica ao estímulo externo que causa desconforto, sensação de peso e fadiga. A tensão é comum na região da coluna cervical (pescoço), dorsal alta (trapézio), ombro, interescapular (entre as escápulas), coluna lombar e glúteos. Como essa dor não leva a limitação funcional, muitas pessoas aprendem a conviver com ela e acreditam que ter uma região do corpo tensa e dolorida seja normal. O que não é verdade.

Você sabia que a tensão muscular pode atrapalhar o seu diagnóstico e até seu tratamento? Muitas vezes, o paciente com hérnia de disco, lombalgias/ciatalgias, cervicalgias, tendinopatias, estenose, artroses, L.E.R/D.O.R.T (lesão por esforço repetitivo ou doença ocupacional do trabalho), entre outras. Não tem um bom resultado no seu tratamento devido a tensão muscular e alterações miofasciais como presença de pontos gatilhos na região. E nesse caso não adianta tomar remédio, você precisa da fisioterapia/terapia manual para desativa-los.

Vamos entender o por quê?

Os pontos gatilhos miofasciais são nódulos palpáveis presentes numa faixa tensa localizada no músculo e de forma espontânea ou à dígito-pressão, produzem um padrão conhecido como dor referida ou que irradia para ombro, braços, cabeça ou pernas. Tudo depende da localização desse ponto gatilho.

Isso significa que, o ponto-gatilho em um músculo, pode criar dor em outra área, como exemplo, quando há um ponto-gatilho na parte superior do (trapézio), a dor referida será ao lado do pescoço, e na cabeça, podendo causar cefaleia tensional (dor de cabeça).

A razão da formação desses pontos ainda não está bem esclarecida, mas acredita-se que o tensionamento excessivo de um nervo, músculo, fáscia ou outro tecido forma o ponto gatilho. Dessa forma, condições lesivas como macrotraumas, microtraumas, isquemia, inflamação, sobrecarga funcional, estresse emocional e deficiências nutricionais são consideradas predisponentes para o aparecimento dos pontos gatilhos.

O músculo acometido pelos pontos-gatilhos apresenta tensão, associada a fraqueza e até espasmos (contração muscular involuntária). Pode estar acompanhado da dor e contribuindo assim para o ciclo dor-espasmo-dor, condição comum em leões musculares.

A tensão inicial induz a perda de força, que ocorre pela diminuição de contratilidade (alteração do processo de contração e relaxamento que acontece naturalmente no músculo para ter o movimento). Com isso, ocorre também a perda de flexibilidade, o que gera a diminuição da amplitude de movimento (capacidade de produzir a angulação máxima de uma articulação relacionada ao músculo lesionado).

Por consequência da diminuição da amplitude de movimento a propriocepção da articulação é afetada (na articulação tem neurônios especiais que tem capacidade de orientação espacial, ou seja, saber o quanto é necessário erguer a perna na hora de subir a escada, por exemplo. Isso é automático.) Quando está alterado esse mecanismo, as informações são impedidas de serem obtidas corretamente pelo segmento lesionado e isso pode trazer novas lesões).

Com relação às causas da formação, envolve: treinos inadequados, sedentarismo (músculo foi feito para se movimentar), postura inadequada por período prolongado (ver tv no safá, trabalho, viagem, etc), posição de dormir (você pode ativar um ponto-gatilho até dormindo por motivo de travesseiros inadequados, colchão muito mole e posições desconfortáveis.

As contrações musculares associadas ao estresse podem gerar pontos-gatilho. Em situações de tensão psicológica, nosso organismo libera hormônios como o cortisol, sendo determinante para a recuperação do estresse, porém, em altas concentrações por períodos prolongado, ele pode alterar as reservas de proteína nos músculos e tecidos conjuntivos como a fáscia provocando perda de tecido muscular a longo prazo.

Localização e classificação do ponto gatilho

O ponto gatilho pode ser localizado no centro das fibras musculares ou na junção musculotendínea.

Pode ser classificado em ponto gatilho ativo, latente, primário ou satélite.

O ponto gatilho ativo provoca dor espontânea, sensação de fraqueza, o que limita a realização do alongamento do músculo e ao ser pressionado produz dor na sua zona de referência. O latente não provoca dor espontânea, mas se pressionado pode produzir dor local e referida. Já o ponto gatilho primário é ativado de forma direta por sobrecarga, por uso excessivo ou repetitivo. Este, é responsável pela ativação dos pontos-satélites. Por fim, o satélite é ativado de forma secundária, pela ação do ponto-gatilho primário por uma ligação neurogênica, mecanismo do antagonismo a um músculo com tensão aumentada ou sinergismo sobrecarregado.

Tratamento

O tratamento dos pontos-gatilho pode envolver em três fases:

1º. Inativação do ponto-gatilho: pode ser feita por injeção de anestesia ou solução fisiológica salina. Aplicação de agulhamento seco para desativar os pontos. Ou, por meio da terapia manual/fisioterapia onde o fisioterapeuta realiza pressão nos pontos-gatilho, fricção profunda, aplicação de calor local e alongamento do músculo.

2º. Reabilitação muscular: Nessa fase o ponto gatilho está desativado, mas necessita da recuperação da flexibilidade, amplitude de movimento e força muscular. Isso pode ser feito por meio de alongamentos, analgesia (utilizando aparelhos eletroestimuladores), reeducação postural, acupuntura, aplicação de calor e exercícios, terapia com movimentos que vai tornar possível o fortalecimento.

3º. Remoção progressiva de fatores predisponentes: Nessa fase, o fisioterapeuta precisa reeducar o paciente sobre atitudes que contribuem para a prevenção e também como agir caso aconteça novas crises, tal como gerenciar as alterações miofasciais.

Dessa forma, os pontos gatilhos podem contribuir para a perca de flexibilidade, amplitude de movimento e força, além de causar dor. Porém, esses pontos podem e devem ser desativados e a terapia manual é um excelente recurso para isso!

Leave a Reply

https://www.clinicacdm.com/wp-content/uploads/2019/06/logo-versao-2-clinica-cdim2.png

Visite nossas redes sociais:

Visite nossas redes sociais:

Copyright para Clinica CDM. Todos os direitos reservados.

Copyright para Clinica CDM. Todos os direitos reservados.

Notice: Undefined index: username in /home/clinicacdm.com/public/wp-content/plugins/bold-page-builder/widgets/bb_instagram/init.php on line 36